18 novembro 2017

Os descaminhos do velho jornalismo

Victor Hugo Morales e Roberto Navarro 

São os tempos obtusos de um 'neo-jornalismo', que destroça o que resta do bom jornalismo. Aqui no Brasil, as mudanças se deram de maneira lenta, gradual e segura, consolidando o descarte de experientes jornalistas por um punhado de pistoleiros sem qualquer brilho narrativo, contratados pela oligarquia midiática que apoiou o golpe político de 2016..

Na Argentina, ocorre a mesma articulação patronal de censura às vozes dissonantes. Há poucas semanas descartaram Roberto Navarro, que conduzia o programa Economia Política; e nestes dias, Victor Hugo Morales, que conduzia o programa El Diário, ambos no C5N, resultado de evidentes pressões políticas do atual governo

O macrismo assim estimula o relato jornalístico cínico e dissimulado. Para seus porta-vozes, os veículos de comunicação corporativos, jornalismo se faz com denuncismo vago e abjeto, comprado por trinta moedas. Nada resulta dessa caricatura sem pauta, que repercute seu sensacionalismo barato com a finalidade de propagar o silêncio dos cemitérios.

Por fim, é doloroso perceber a transfiguração dos meios de comunicação tradicionais, transformados em correia de transmissão dos interesses do Capital. Neste blog, é possível acompanhar as postagens desde o início e observar uma mídia que paulatinamente se asselvaja, fazendo a opção jornalística ao pior estilo murdochiano. 

Será com muito esforço que o verdadeiro jornalismo, sinônimo de liberdade de expressão, conseguirá recuperar sua credibilidade junto ao público que não está indiferente à informação com qualidade.


31 outubro 2017

Sobre o sacrifício humano


Enquanto se estabelece um relativo silêncio nos principais movimentos e partidos de esquerda, os golpistas encastelados no poder agem sem qualquer restrição ética, preocupados não em estabelecer algum tipo de governança, mas apenas em eliminar os entraves para a tomada do país pelas grandes corporações internacionais, ou até melhor dizendo, transnacionais. O ensino superior sofre o desmantelamento de sua estrutura educacional ao ser paulatinamente absorvido por empresas estrangeiras, cito duas, Laureatis e Croton, que sem qualquer preocupação em oferecer qualidade, exploram as oportunidades existentes, misturando educação com mercado.

Na sexta-feira passada, assistimos à retomada dos leilões de áreas do nosso pré-sal com a participação de diversas empresas petrolíferas transnacionais, com o resultado final oferecendo uma contrapartida irrisória - R$ 6 bilhões, que no câmbio atual significam menos de US$ 2 bilhões. Seis blocos foram arrematados, com tímida participação de nossa agora enfraquecida Petrobras. Enquanto o presidente da Shell do Brasil afirma que “o pré-sal é onde todo mundo quer estar”, o governo golpista, com as mudanças regulatórias, abre mão de “enormes massas de recursos financeiros e produtivos e de sua capacidade de apropriação de parte importante da renda petrolífera gerada no pré-sal”.

O ataque golpista segue no congresso, com o encaminhamento de pautas que prometem cercear ainda mais a classe trabalhadora em seus direitos. Enquanto isso, grupos sintonizados com uma visão obscurantista de arte, grupos de difícil definição (neoliberais, proto-fascistas, fundamentalistas religiosos, ou um pouco de cada coisa) despejam nas redes sociais sua ignorância contra exposições que abordem de maneira livre o corpo, como se este devesse ser preservado para o sacrifício no altar do capitalismo tardio.

Na semana passada, como que articulados por esse estranho momento de ‘devoragem’ e emburrecimento cívico, o Condephaat deu sinal verde para a construção de duas torres em um terreno contíguo ao Teatro Oficina, tombado pelo próprio órgão em 1982. José Celso Martinez, em sua lucidez profunda pela preservação do território sagrado do Oficina, articula-se como pode nas redes sociais, com a arguição dos que apenas serão ouvidos pela história, iluminado em demonstrar a miséria do Capital e seus representantes, os "seres cifrões".

O ministério público (com letras minúsculas mesmo) solicita e uma juíza proíbe a apresentação de Caetano Veloso em uma Ocupação do MTST em São Bernardo do Campo. Simples assim. Qual seria o problema? De acordo com Caetano, “ser impedido de cantar não é bom (...) eu me sinto mal, dá a impressão de que (o momento em que vivemos) não é um ambiente propriamente democrático”. Temos o impedimento da fruição poética e musical em praça pública decretada de maneira tempestiva, a formular uma outra espécie de ação condenatória, o sacrifício para além do corpo, o sacrifício do espírito.

Com tudo isso, demonstra-se nesse tempo sombrio, regido por pouca inteligência e pelos vorazes interesses do Capital, os sinais do que Milton Santos qualificou de “alienação territorial”, em consonância com a espoliação gradativa do estado democrático de direito, tão bem analisado por outro de nossos indispensáveis pensadores, Fábio Comparato.



12 outubro 2017

Duas partes do todo


Duas coisas tocantes que emergem da vivência com a experiência popular. A primeira, hoje de manhã, enquanto uma parte da classe fazia as vistas das provas, um aluno isolado, Felipe, jovem morador de uma distante periferia realizava a segunda chamada. Ele não demorou e quando me entregou a prova, disse-me que estava feliz por ter identificado no filme "Povo Lindo Povo Inteligente" o Márcio Batista, um dos poetas entrevistados no vídeo, seu professor de educação física no ensino médio. E talvez mais bonito, ao falar da escritura marginal como forma de resistência, disse-me que também tinha identificado a cozinheira da escola pública onde estudou, que sem dúvida em razão de seu caráter estava presente no sarau 'para expor suas ideias e sua arte'.

Agora há pouco, em um momento de descanso, localizei no Youtube um trecho do filme "Peões", de Eduardo Coutinho, que apresenta uma série de depoimentos de trabalhadores ligados aos metalúrgicos de São Bernardo. Vejo a fala de Zelinha, seu orgulho imenso por Lula, tinha entrado com ele no sindicato, no mesmo mês de março de 1976, ele como presidente, ela como copeira. 'A coisa que mais desejo é ir a Brasília, se ele ganhar (o filme é de 2002) e servir um café no Palácio do Planalto para ele'. Quanta beleza e simplicidade. E brio, ao explicar que tinha salvo dos militares, quando da ocupação do sindicato, uma lata contendo um filme. Pediram para ela guardar e ela não perguntou, tratou de esconder em sua sacola, ao ir para casa. 'Se eles pegassem, acabariam com nossa história', disse algo mais ou menos assim. Na lata, o filme "Linha de Montagem", de Renato Tapajós.

São partes como essas que conseguem dar sentido e consistência ao todo.

(escrito originalmente em 17.06.2015)


28 setembro 2017

Mal-estar e repulsa à devoragem

No auditório Carlos Zara, CEU Butantã

Um sentimento desconfortável me toma de quando em quando, basta refletir sobre as circunstâncias políticas que nos envolve nestes tempos. Uma espécie de cinismo coletivo se estabelece, abrindo espaço para o oportunismo a qualquer preço, e talvez mais do que isso, a ruptura de um paradigma moral de cuidado e respeito, para que um forte anseio competitivo se instale no tecido social, eliminando o constrangimento nas relações.

Nesse sentido, compreende-se perfeitamente o papel desses autores como Theodore Dalrymple, que despertam a indiferença e o desprezo sob a chancela da responsabilidade, colaborando para que cada um esteja livre de sentimentos generosos para seguir trilhando o caminho da liberdade individual, ou digamos, liberal. Atravessamos esse tempo de falsas ousadias que mobilizam o indivíduo, como um animal voraz, para a frente, em detrimento de todo o processo histórico-cultural da sociedade. Um tempo que só alimenta os hipotéticos desafios que vêm pela frente, e de que maneira a monetização pode contribuir para se levar vantagem.
  
-o-

Desde ontem as dores pelo corpo, o cansaço que de algum modo me traz prazer pela atividade intelectual que realizo, mas que é bem desgastante. Acrescidas às não muitas aulas semanais, tenho realizado neste semestre uma série de palestras em diversos pontos da cidade, normalmente nas periferias. Já estive no Grajaú, em São João Clímaco, São Miguel Paulista e no Butantã, sábado encerro a série indo a Santo Amaro.

O prazer se deve à discussão sobre sujeitos de direito e nessa chave, a possibilidade de discutir com educadores e educadoras da rede pública municipal a formação do Brasil, a partir dos pensadores que discuto em sala de aula, Darcy Ribeiro, Caio Prado Jr., Jessé Souza, os saraus com Sérgio Vaz, a pedagogia com Paulo Freire. Trata-se de um exercício de enfrentamento a esse estado de coisas brutal que dilapida aos poucos nossos direitos civis e trabalhistas. Mais uma vez o poder das elites dominantes, grosseiro, sem qualquer contato com a realidade cotidiana, lança seus tentáculos sobre o povo brasileiro para sugar o máximo de mais valia, ruminando sua necessidade crescente de poder.

O movimento de espoliação dos direitos do povo é universal, como se o capitalismo, acuado, necessitasse manifestar seu derradeiro esforço voraz, insano, destruidor. É desse modo que sentimos, daqui de baixo, esse tsunami potente que pretende redesenhar a civilização a partir de novos paradigmas morais, cívicos e trabalhistas. Nada parece deter essa nova ordem nascida do apetite dos conglomerados empresariais e financeiros, que a tudo devoram sem parcimônia. Se no mundo temos o fato legitimado por atores políticos cooptados pelo Capital, no caso brasileiro a destruição ganha impulso com o golpe institucional. 


-o-

Tempo de revisitar Naomi Klein em sua obra A doutrina do choque, muito oportuno para compreender esse momento de ações intempestivas e nada democráticas perpetradas em nome da 'liberdade individual'. E conhecer o livro de Jessé Souza recém-lançado, A Elite do Atraso - da escravidão à lava-jato, para dimensionarmos a mediocridade histórica de nossa classe dominante.


25 setembro 2017

Deseducação


Resultado de imagem para luta pela educação no brasil


As benesses que nos chegam da América Latina tomada pelas políticas neoliberais, México e Peru. A demolição da escola pública, a deseducação, o fim do acesso universal alcançando Argentina e Brasil. 

Corporações e o capital especulativo, sob as bênçãos de uma mídia publicitária, assumem o Estado e realiza seus ajustes econômicos, sob o olhar de governos fúteis, de Peña Nieto e Macri a Kuczynski e Temer, os capitães do mato da governança financeira. Deseducação, dispositivo de eficácia, adestramento de corpos, gestão de mentes. No final das contas, a pobreza do espírito: o novo sujeito nas teias da individualização do destino. 

Ou, em outras palavras, o capitalismo avançado a destroçar a dimensão coletiva da existência. Nunca a deseducação fez tanto sentido.


14 setembro 2017

Pulhas!

O pulha-mor cumpre o seu papel 

É o que nos resta, desmascarar a trouppe golpista de seu hálito morno, exalado no discurso cínico e dissimulado. Diante da desfaçatez dos atos, o brado merecido e dito com toda força, pulhas! Não passam disso. Claro está que o golpista malandro não tem luz própria para bancar decisões do porte e do alcance que tem proferido. Está muito bem instruído por "consultores nativos e forâneos", amparado por uma formidável rede publicitária, o que se convencionava chamar de mídia corporativa até há bem pouco tempo, e por um judiciário omisso, que se locupleta com seus rendimentos obscenos.

Esse poder expressa, como disse uma vez Darcy Ribeiro, a política excludente de uma elite brutalizada, impiedosa e inconsciente, e complementa, "(essa é) a herança de termos sido o último país do mundo a acabar com a escravidão hedionda. É a herança da capacidade de gastar gente, de queimar gente como se queimasse carvão. De queimar negro, jogar no trabalho. (...) É uma perversidade intrínseca na nossa herança, na nossa classe dominante, (que) está enferma de desigualdade, de descaso (...)"

Mas espero, e espero verdadeiramente, no prosseguimento da saga da história feita pelos povos, que haverá de romper com esse momento de bestialidade artificial, promovido pelos interesses financeiros de uma cúpula patricial que elude seus vestígios de humanidade. Vale retomar outro grande pensador brasileiro, tão esquecido ultimamente, Milton Santos: "É dessa forma que, na convivência com a necessidade e com o outro, se elabora uma política, a política dos de baixo, constituída a partir das suas visões do mundo e dos lugares. Trata-se de uma política de novo tipo, que nada tem a ver com a política institucional".

Tenho apostado nessa apaixonante alternativa.


08 setembro 2017

Espaço Memória e Direitos Humanos


Foi um dos poucos lugares visitados, já que as atividades acadêmicas na Faculdade de Ciências Sociais da UBA tomavam praticamente todo o dia. Apenas as manhãs estavam livres e em uma delas foi possível conhecer o Espaço Memória e Direitos Humanos, a ex-ESMA. Ao longo dos anos, sempre procurei imaginar quais seriam as dimensões e o desenho desse centro clandestino de torturas. Sobrevinha sempre a imagem do pavilhão com suas colunas neoclássicas logo na entrada, e mentalmente associava os fragmentos conhecidos, os Ford Falcons, as faces dos comandantes da junta golpista, as lembranças de leituras sobre as detenções, o desaparecimento das crianças nascidas de mães torturadas. 

Um tremendo choque desde o início. As alamedas arborizadas nos conduzem silenciosamente aos conjuntos de edifícios espalhados, mas logo as placas indicativas e os jovens que ali trabalham nos orienta sobre os acontecimentos ali passados. E mais do que isso, as marcas no edifício 6, o ex-Cassino dos Oficiais, onde se recebiam e martirizavam os detidos. Há um vazio que nos acolhe, um vazio dilacerado pelas vozes não ouvidas, e assim, funciona como se adentrássemos tardiamente um espaço desesperançado, que por anos produziu ofereceu a morte como pesadelo. E se a morte não nos persegue naqueles corredores, antessalas, sótãos e porões, não é menos verdade que o sentimento da vida nos abandona, e assim nossa caminhada pelos espaços de dor se conecta com o vazio dilacerado de todo um sistema organizado de sevicias, produzido por sórdidas mentes humanas.


A imagem pode conter: céu, árvore e atividades ao ar livre

A fachada do Pavilhão Central, o prédio número 4, logo na entrada do Espaço Memória e Direitos Humanos.


A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, árvore, céu e atividades ao ar livre

Entrada do prédio 6, o ex-Cassino de Oficiais, onde se produziram crimes de lesa humanidade durante a ditadura militar (1976-1983).


A imagem pode conter: texto

Demolir para ocultar. O que os militares fizeram foi alterar as estruturas antes da visita da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Argentina, com o objetivo de ocultar as evidências de que ali funcionava um centro clandestino de torturas. Ao longo da visita, é possível identificar, com a ajuda dos painéis e dos jovens que ali trabalham, onde e como ocorreram tais modificações.


A imagem pode conter: área interna

O porão do Cassino de Oficiais, onde se fazia a triagem dos sequestrados recém-chegados.


A imagem pode conter: 13 pessoas

Algumas das pessoas capturadas, torturadas e assassinadas, antes fotografadas com a finalidade de se forjar documentos falsos, com os quais se extorquiam bens e valores.


A imagem pode conter: atividades ao ar livre e texto

Os operativos começavam e terminavam nesse pátio, com a saída dos Grupos de Tarefas para o sequestro de pessoas. À direita, uma foto dos anos de chumbo, onde se vê uma camioneta baú em que se transportavam os prisioneiros condenados aos 'Voos da Morte'.


A imagem pode conter: área interna

Os sequestrados permaneciam dias, meses ou mesmo anos neste espaço, denominado "Sótano", na parte superior do Cassino. Às quartas-feiras, eram selecionados grupos de prisioneiros que, amarrados e sedados, eram conduzidos para serem 'trasladados', ou seja, para seu destino final.


Nenhum texto alternativo automático disponível.

As prisioneiras detidas grávidas davam à luz neste quartinho, e posteriormente separadas de seus bebês e assassinadas. As crianças eram apropriadas por outras famílias, muitas vezes dos próprios militares.


Nenhum texto alternativo automático disponível.

Aqui um Ford Falcon desmontado, na entrada do prédio onde hoje leva o nome de um escritor morto e desaparecido, Haroldo Conti. Os Ford Falcons foram o símbolo das ações dos Grupos de Tarefas, que culminavam em detenção e sequestro.


28 agosto 2017

XII Jornadas de Sociologia


XII Jornadas de Sociología - Facultad de Ciencias Sociales, UBA 

Terminou na sexta-feira passada as XII Jornadas de Sociologia, na Faculdade de Ciências Sociais da UBA, que a cada ano se consolida como espaço de reflexão e debates abertos à sociedade. Ao longo de três dias, foram 122 mesas distribuídas em 14 eixos temáticos, orientados pelo tema geral, Recorridos de una (in)disciplina, ou, de como os problemas, objetos, perspectivas presentes na práxis sociológica e que representam o horizonte de formação dos estudantes, possam produzir uma consciência crítica em relação à realidade social. 

Essa dinâmica articulada com a prática científica define o espaço da faculdade, permanentemente "tomado" pelas mais diversas correntes de pensamento estudantil. De pronto, ao se ingressar nesse território alimentado por ideias e tensões políticas, deparo com a saudável experiência do que seja um verdadeiro ambiente universitário. Ao longo dos corredores, escadarias, não escapa um metro sem a presença de cartazes anunciando mobilizações, encontros, caravanas, lutas, homenagens, palavras de ordem, de algum modo reiterando o registro simbólico do tema das Jornadas, ou seja, percursos de uma (in)disciplina.

De outra parte, as mesas e conferências exprimem um interessante contraponto a essas "indisciplinas juvenis", oferecendo um complemento teórico-metodológico por excelência, análises ricas que podem derivar, por exemplo, do conceito da distinção social ou do capital econômico em Pierre Bourdieu, ou das aplicações do pensamento sociológico de Émile Durkheim. As salas de aula transformam-se em focos de reflexão e análise de temáticas múltiplas, com os mais diversos objetos, oportunidade em que alunos e doutores trocam suas experiências do campo social.

Dessa maneira, foi possível dialogar com Tereza Campello, ex-ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, mais uma vez eficiente em sua arguição sobre a importância da ação política dos diversos programas sociais aplicados nos governos Lula e Dilma, como também acompanhar os professores Néstor Kohan, Claudio Katz e Claudio Lara em uma discussão criteriosa das perspectivas da Teoria da Dependência de Ruy Mauro Marini, Vânia Bambirra e Theotônio dos Santos - desaparecida de nossas cátedras de Sociologia - nos desdobramentos da política latino-americana.

Minha participação se deu na mesa 74, La ciudad en disputa: actores, conflictos y dinámicas de producción del espacio urbano, que teve 18 apresentações de pesquisadores da Argentina, Chile e Brasil sobre os mais diversos temas relacionados aos conflitos e às resistências entre grupos socioeconômicos distintos, bem como os formatos e as práticas de mercantilização do espaço urbano, tão evidentes nas cidades latino-americanas. O texto que apresentei, Os descompassos de uma modernidade desigual: a política nas periferias de São Paulo, considerando os conflitos histórico-culturais da formação de nossa sociedade, teve como principal abordagem o comportamento político das periferias nas últimas eleições municipais.


Os cartazes presentes por toda parte 

Estar aqui significa a superação desse sentimento desconfortável que me toma de quando em quando. Basta refletir sobre os acontecimentos políticos que nos envolve nestes tempos, uma espécie de cinismo coletivo se estabelece, abrindo espaço para o oportunismo a qualquer preço e talvez mais do que isso, a ruptura de um paradigma moral de cuidado, de respeito ao adversário, para que um forte anseio competitivo se instale no tecido social, eliminando o constrangimento nas relações. Assim, não interessa a presença do adversário na constituição da democracia, mas sua criminalização como inimigo da nova ordem liberal. 

Nesse sentido, compreende-se perfeitamente o papel desses autores como Theodore Dalrymple, que despertam a indiferença e o desprezo sob a chancela da responsabilidade, colaborando para que cada um esteja livre de sentimentos generosos para seguir trilhando o caminho da liberdade individual, ou digamos, liberal. Atravessamos esse tempo de falsas ousadias que mobilizam o indivíduo, como um animal voraz, para a frente, em detrimento de todo o processo histórico-cultural da sociedade. Um tempo que só alimenta os hipotéticos desafios para preparar tecnicamente cada indivíduo para as oportunidades, onde a monetização dos valores contribui para se levar vantagem. 
-0-

Das salas e dos corredores para o amplo salão de estar no térreo, ante-sala das Jornadas de Sociologia, que registra o ir e vir dos jovens, muitos deles acomodando-se nos sofás ou diante das mesas para estudos ou conversas mais descontraídas, sob o aroma convidativo do café com medialunas. Em um canto desse saguão, em frente a uma feira com livros de pequenas editoras, um imenso painel com a imagem de Rodolfo Walsh, jornalista e escritor assassinado pela ditadura militar em 1977. Suas obras e ideias repercutem fortemente junto aos jovens e irradia a força de um pensamento irrequieto, de desafio permanente ao autoritarismo de Estado. 


Mural com a imagem de Rodolfo Walsh 



25 agosto 2017

O maravilhoso barroco e o maravilhoso encantado


O grupo de estudos Mnemon, ligado ao PPGCOM ESPM e do qual tenho a alegria e satisfação de fazer parte como pesquisador, lançou na última sexta-feira o livro Cosplay, Steampunk e Medievalismo: memória e consumo nas teatralidades juvenis, resultado de profunda pesquisa coletiva levada a cabo nos dois últimos anos sobre o tema. Conforme destaca Mônica Nunes no prefácio, “A heterogeneidade do grupo, formado por mestrandos, doutorandos, mestres e doutores, proporcionou fluxo constante de experiências trocadas, resultando na integração entre níveis diversos de investigação científica, contribuindo para um olhar plural acionado por variados repertórios conceituais sobre o fenômeno das teatralidades”, dessa maneira realçando o espírito que permeou o trabalho.

Meu texto, De Carpentier a Tolkien, entre o maravilhoso barroco e o maravilhoso encantado nada mais é do que uma proposta em discutir, ainda que em bases mínimas, a beleza do conceito utilizado por Carpentier para nossa realidade latino-americana É também relacionar a força da estrutura narrativa das escrituras marginais com o encantamento proporcionado pelas narrativas de Tolkien, recriado sob a inspiração das culturas midiatizadas contemporâneas e produzidos nas teatralidades dos coletivos steampunks e medievalistas.

Acima de tudo foi muito divertido e agradável participar desta coletânea inédita em sua proposta temática. Os textos, 15 ao todo, abordam assuntos diversos como culinária, moda, games, literatura, arquitetura, imagem, o que proporciona um interessante caleidoscópio sobre as diversas teatralidades juvenis discutidas.

O livro começa a buscar seus espaços, já foi apresentado no Simpósio Internacional sobre a Juventude Brasileira, ou simplesmente Jubra 2017, realizado no começo do mês em Fortaleza, e agora será apresentado no III Frikilóquio, Colóquio de Ciências Humanas e Sociais sobre Culturas e Consumos Freaks, a se realizar daqui a dias no Centro Cultural Paco Urondo, aqui em Buenos Aires.

Sigo agora para o complemento das Jornadas de Sociología, na Facultad de Ciencias Sociales, com a mesa Teoria Marxista de la Dependencia: balance y perspectivas.


15 agosto 2017

Entre o espetáculo e a farsa

Festa encomendada: Cambiemos venceu, só que não foi bem assim 

Crônica de uma farsa anunciada*, com este título o jornalista Horacio Verbitsky, do jornal Página/12, nos relata em seus mínimos detalhes a ação entre amigos que se passou nas eleições primárias ocorridas na Argentina, no último domingo. Detalhes que expressam o maltrato da coisa pública, com o loteamento de cargos importantes entre amigos e a arrogância do modo de agir neoliberal.

O que na Venezuela teria despertado a indignação da mídia corporativa e que lá passou em silêncio obsequioso foi o espetáculo antecipado de uma retumbante vitória governista que não aconteceu. No final das contas, quando os votos dos redutos oposicionistas começavam a chegar, os resultados se modificaram nas províncias de Chaco e Rio Negro, assim como Santa Fé e Buenos Aires, duas das mais importantes. Nesta última, a contagem foi suspensa pelo Ministério do Interior, restando computar cerca de meio milhão de votos**.

A desfaçatez e o oportunismo publicitário, características marcantes dos governos pautados pelo mercado, ajudaram a proclamar uma vitória incontestável que se desfez com o passar das horas. O portal do jornal governista Clarín chegou a ponto de realizar uma cobertura em tempo real com imagens do regabofe macrista, o qual pude acompanhar até onde o estômago permitiu. Não demorou para a cena da imagem acima mostrar-se uma deliberada arrogância política.

* https://www.pagina12.com.ar/56656-cronica-de-una-estafa-anunciada.
**o resultado do escrutínio final confirmou a vitória de Cristina Kirchner por mais de 20.000 votos (https://www.pagina12.com.ar/59641-cristina-kirchner-gano-las-paso).


30 julho 2017

Allende e o Colo Colo

A imagem pode conter: 12 pessoas, pessoas sorrindo
Allende recepciona o finalista Colo Colo no La Moneda 

Maio de 1973. O presidente Salvador Allende recebe a equipe do Colo Colo, que voltava da primeira partida final da Libertadores, ao empatar em Avellaneda contra o Independiente, 1 a 1.

Gosto de ver esta imagem, um derradeiro alento democrático no Chile, a alegria estampada no rosto de todos. O time chileno seria vice-campeão perdendo na prorrogação do terceiro jogo, em Montevidéu.

Allende morreria nesse mesmo palácio menos de quatro meses mais tarde, defendendo o governo constitucional contra o golpe comandado por Pinochet.



28 julho 2017

O Capote, Dino Buzzati

Il Mantello, desenho de Francesca Tancini

Realizo, agora ao final das férias escolares, mais uma tradução de Dino Buzzati, o pequeno conto Il Mantello, que em espanhol é A Capa, e em português, O Capote. Trata-se de um texto que me emociona todas as vezes que o leio, não só pela trágica beleza de sua arquitetura, como pela surpresa irremediável de seu final. Os contos de Buzzati compõem, ao meu ver, as partes distintas de um mosaico que simboliza a vida humana. Os desenlaces em aberto desvelam a carga de incertezas, e porque não dizer, as incompletudes íntimas em face do futuro, ou da ausência dele, o vazio desconhecido preenchido pela morte. Ao contrário do que as leituras de linhagem fenomenológica nos propõem, Buzzati permanece amparado pelas ambiguidades dos sentimentos, que transferem a autoridade sobre nossos destinos ao indecifrável acaso, o que faz com maestria e é necessário admitir, envolvendo-nos emocionalmente.

O que modifica são as situações ao longo das narrativas, que podem estar mais ou menos próximo do nosso desfecho imponderável. Assim ocorre em sua obra mestra, O Deserto dos Tártaros, em que o enfrentamento tão longamente esperado se dá como metáfora do destino de Giovanni Drogo. Em Os Sete Mensageiros, conto traduzido aqui neste blog, o jovem filho do rei narra, em primeira pessoa, o afastamento do reino em busca de seus confins na companhia de sete mensageiros, os quais envia em tempos determinados para portar e receber notícias, até o momento em que eles se tornam inúteis pelo tempo que levam para ir e regressar. 

No texto Sete Andares, Dino Buzzati nos apresenta claramente o desfecho da vida a partir de uma internação aparentemente sem consequências, cujo drama passa a ser a descida para os andares mais baixos, das pessoas mais enfermas. Sua descrição final talvez seja uma das mais perfeitas impressões sobre o que seja a morte. Em Algo havia ocorrido, temos o relato inicialmente vago, mas que ganha contornos mais dramáticos de uma certa ocorrência imprecisa, aparentemente grave, percebida na reação das pessoas em função do avanço de um trem expresso. 

Com sua obra Naquele exato momento, dei vazão ao meu desejo por novas leituras de Buzzati. Trata-se de um conjunto de pequenos relatos, segmentados à proporção em que alcança o propósito de descrever um singelo acontecimento. A beleza se esparge, está aqui, ali, de modo irregular, os cortes narrativos, a quebra de expectativa, breves impressões desenvolvidas em outros textos, o que é comum em trabalhos assim, onde a compilação expressa o resultado irregular de ideias acumuladas e interrompidas. Ainda assim, é possível apreciar o estilo muito particular, caracterizado por uma poética da incompletude humana.  

Haveria mais o que dizer e seria maravilhoso prosseguir, porém, me detenho no entusiasmo das considerações pessoais e ofereço os primeiros parágrafos, prometendo o texto integral nas próximas postagens.


-0-

O CapoteDino Buzzati

"Ao cabo de uma interminável espera, quando a esperança começava a fenecer, Giovanni regressou a casa. Ainda não eram duas horas, sua mãe estava arrumando a mesa, era um dia opaco de março e voavam os corvos.

"Surgiu de improviso no umbral e sua mãe gritou, 'Ah, bendito seja', correndo a abraçá-lo. Também Ana e Pedro, seus dois irmãozinhos se puseram a gritar de alegria. Havia chegado o momento esperado durante meses e meses, com tanta frequência entrevisto nos doces sonhos do alvorecer, que restabeleceria a felicidade.

"Ele nada disse, tendo suficiente trabalho para reprimir o choro. Acomodou em seguida o pesado sabre em uma poltrona, na cabeça portava ainda o gorro de pelo. 'Deixa que te veja', dizia entre lágrimas a mãe, recuando um pouco, 'deixa-me ver como estás bonito, mas que palidez...'

"Estava realmente um tanto pálido e desgastado. Tirou o gorro, avançou até o meio da sala, sentou-se. Que cansaço, que cansaço, até sorrir lhe parecia custoso." (...)


(Extraído e traduzido da coletânea em espanhol, Los Siete Mensajeros y otros relatosMadrid, Alianza Editorial, 1996)


(Texto da postagem modificado em 29.07.2017)


17 julho 2017

Política nas Periferias



Publico abaixo a parte inicial de meu mais recente estudo, com base na pesquisa da Fundação Perseu Abramo sobre a percepção política nas periferias paulistanas, publicada no início de 2017. Tomo como referencial para a pesquisa autores que me são caros sobre os aspectos socio-políticos e econômicos do Brasil, tais como Darcy Ribeiro, Ruy Mauro Marini, Vânia Bambirra, Milton Santos, dentre outros. 

Também me utilizo das análises de alguns dos inúmeros artigos que vieram a lume em decorrência da pesquisa da FPA. A metodologia se complementa com a etnografia realizada junto a moradores dos bairros periféricos que trabalham ou circulam na região da avenida Paulista, e que contribuíram de modo decisivo na reflexão teórica. 

A produção deste artigo tem como objetivo sua apresentação e discussão nas XII Jornadas de Sociologia, que se realizarão na Faculdade de Ciências Sociais da UBA, Buenos Aires, entre 22 e 25 de agosto deste ano. O título: "Os descompassos de uma modernidade desigual:  a política nas periferias de São Paulo"


1. Introdução
            Em março de 2017 a Fundação Perseu Abramo divulgou a pesquisa Percepções e Valores Políticos nas Periferias de São Paulo[1], que teve como principal objetivo compreender “os elementos que têm formado a visão de mundo e o imaginário social nas periferias da cidade de São Paulo”. Para tanto, partiu-se de uma hipótese inicial que abordava um primeiro momento, as novas dinâmicas socioeconômicas criadas nos governos Lula (2003-2010) e Dilma (2011-2016), baseadas na ampliação dos mercados de trabalho e de consumo, bem como à distribuição de renda e mobilidade social, e um segundo momento, decorrente da retração econômica em decorrência da crise do capitalismo mundial, onde as classes populares passaram “reagir informada por horizontes menos associativistas e comunitaristas e mais por diretrizes marcadas pelo individualismo e pela lógica da competição”.

            A questão levantada em diversos debates nas mídias e em encontros das esquerdas foi se, com a expansão dos empregos formais, mobilidade social e mais consumo, as classes populares de fato “passaram a se identificar mais com a ideologia liberal que sobrevaloriza o mercado”. Se sim, como se desenvolveu esse processo? O certo é que as mídias tradicionais e as mais à direita no espectro político passaram a considerar o fracasso das políticas do PT no governo, como o caso do famigerado MBL (Movimento Brasil Livre), de orientação liberal, que em suas páginas na internet decretava que “Pesquisa do PT mostra que periferia é de direita”. Os debates mais à esquerda fizeram leituras que no geral rechaçaram essa possível compreensão de um liberalismo ideológico em gestação nas classes populares. Conforme Ivana Bentes[2], “o que estamos vendo (ao longo da pesquisa) é o declínio, como modelo subjetivo, da figura do ‘trabalhador’ do chão de fábrica, uma esquerda fordista que precisa se reinventar (...)”. As repercussões, vindas dos setores intelectuais e da academia, assumiram uma postura muitas vezes “hierárquica”, ao conceber as periferias como um objeto de observação antropológico, desconsiderando a mobilização de seus anseios, sua Weltanschaaung, a visão de mundo muitas vezes esclarecedora. Bentes, embora se coloque frontalmente contra a interpretação de uma periferia liberal em razão dos últimos pleitos eleitorais – eleições gerais em 2014 e eleições municipais em 2016 – não se furtou em dizer que “o pragmatismo popular brasileiro não cabe nas polarizações e está em disputa”, deixando no ar uma delicada sugestão de que a escolha popular não transcorre necessariamente em função de seus interesses, ainda que fragmentados, individualizados, mas a partir da disputa das “estruturas superiores”, entre os agentes e as instâncias políticas de direita e de esquerda.

            Já para o sociólogo Gabriel Feltran, da UFSCar[3], a perda de votos das esquerdas nas periferias ocorreu em decorrência do abandono das práticas políticas desenvolvidas pelas comunidades de base ligadas à igreja católica e pelos sindicatos, e pior, “quando (as esquerdas) se tornaram moralmente iguais aos demais políticos tradicionais”. Na entrevista, Feltran destaca um aspecto presente na fala de alguns entrevistados por mim, sobre a inexistência do voto ideológico, tão em relevância nos debates intelectualizados. Segundo o sociólogo, “é um voto que concebe o mundo a partir da proximidade, da relação pessoal, da confiança na ética do candidato, um voto próximo e moral”, e não há como formar interpretações morais de condenação por esse pragmatismo.
            Para alguns autores, o equívoco começa ao se considerar a distribuição de renda e a mobilidade social ocorrida nos anos Lula-Dilma como o surgimento de uma “nova classe média”. Como afirma Marilena Chauí, os programas sociais do PT não constituíram uma nova classe média no Brasil, mas a criação de uma nova classe trabalhadora, e discorre sobre a questão,
Esta nova classe trabalhadora é que absorve a ideologia da classe média: o individualismo, a competição, o sucesso a qualquer preço, o isolamento e o consumo. Sendo assim, não é que exista uma nova classe média, mas sim uma nova classe trabalhadora que é sugada pelos valores da classe média já estabelecida.[4]

                Já tínhamos neste depoimento, três anos antes da crise institucional que depôs Dilma Rousseff, uma percepção da assimilação de valores da classe média pelas classes populares, ou como a autora denomina, nova classe trabalhadora. O economista Marcio Pochman compartilha do mesmo ponto de vista, ao realizar um extenso trabalho sobre o governo Lula, e em trabalho minucioso que avalia as políticas econômicas e sociais que produziram expansão do emprego formal, redução da pobreza e consequentemente da desigualdade da renda, além de programas sociais bem-sucedidos (dentre eles, o Bolsa Família; o Luz para Todos; Minha Casa, Minha Vida etc) consignando a retomada da mobilidade social. Para Pochman, ainda que tenha havido mudanças no padrão de consumo e melhoria na distribuição de renda na base piramidal da sociedade brasileira, tal como ocorreu anteriormente nos países industrializados europeus que adotaram o padrão fordista de desenvolvimento (1950-1973, os anos dourados do capitalismo), não houve a “constituição de uma nova classe social, tampouco permite que se enquadrem os novos consumidores no segmento da classe média”. (POCHMAN, 2014, p.71)

            O sociólogo Jessé Souza vai mais longe em seu argumento questionador sobre essa hipotética ascensão de uma nova classe média. Em sua análise, o fato de um professor universitário e um trabalhador industrial qualificado auferirem renda similar não significa que estilos de vida ou hábitos de consumo semelhantes, e que também não garantiria um pertencimento de classe, e assim, haveria “muitas diferenças entre o estilo de vida da classe média estabelecida e os trabalhadores precarizados e superexplorados que estão longe de ser transpostas”[5]. No mesmo texto, observa um outro ponto importante, a zona de estratificação social intermediária, que possui uma renda entre R$ 1.000 e R$ 5.000 impediria análises mais criteriosas, “as denominações “classe C” e “nova classe média” são infelizes, posto que transmitem a impressão de que o Brasil está se tornando aquilo que não é: um país em que os remediados são a maioria e no qual a pobreza vai tornando-se um problema residual”, e conclui dizendo que essa sub-gente[6] ou na verdade, mais apropriadamente, batalhadores da periferia, como camada social é uma incógnita politicamente, e em sua luta pela autoconfiança, pelo autorrespeito, pela autoconfiança, “não são como desejam os arrivistas de direita ou os bovaristas de esquerda”.

            O importante dessa explanação é a evidência de que as camadas urbanas mais pobres da população, concentradas às margens dos bairros com mais infraestrutura de serviços, não incorporaram de maneira completa as conquistas sociais e os valores pertencentes às classes médias, como o tempo livre para os filhos como forma efetiva de acesso escolar ao conhecimento (capital cultural), propiciando com isso além da formação gradual do espírito crítico, as oportunidades em um mercado de trabalho competitivo. Tais tipos de herança imaterial da classe média não são considerados em uma sociedade cada vez mais impregnada por valores estatísticos, por uma visão economicista reproduzida principalmente pelos meios de comunicação hegemônicos, e assim “o que vai ser chamado de “mérito individual” mais tarde e legitimar todo tipo de privilégio não é um milagre que ‘cai do céu’, mas é produzido por heranças afetivas de ‘culturas de classe’ distintas, passadas de pais para filhos” (SOUZA, 2009, p.23). As classes média e alta exploram o corpo dos subcidadãos da ‘ralé’ a baixo preço, e com isso acumulam o tempo necessário para ser reinvestido em trabalho produtivo e reconhecido. Como contrapartida, o estigma do fracasso permanece atado à ralé, como signo de sua hipotética incompetência atávica, compreendida muitas vezes como preguiça ou falta de vontade de vencer, em um mercado cada vez mais competitivo.  




[2] Artigo "A Periferia não é binária", disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/a-periferia-nao-binaria/, acesso 01.07.2017.
[5] Artigo "O Brazil não conhece o Brasil", disponível em: https://fpabramo.org.br/2017/04/20/o-brazil-nao-conhece-o-brasil/, acesso 01.07.2017.
[6] Em seu livro “Ralé Brasileira – quem é e como vive”, Jessé Souza define essa camada como “uma classe inteira de indivíduos, não só sem capital cultural ou econômico em qualquer medida significativa, mas desprovida, esse é o aspecto fundamental, das precondições sociais, morais e culturais que permitem essa apropriação”. (SOUZA, 2009, p.21)