30 setembro 2015

Cesare Zavattini



Cada coisa ao seu tempo. Depois de Eisenstein e sua montagem de atrações, agora Zavattini e a continuidade de um realismo dos pequenos gestos e das personagens singelas, a câmera que não disseca, mas apenas registra. Esse momento tão belo do cinema, o neo-realismo italiano, me emociona não apenas pelas narrativas humanas, mas por todo o conjunto de suas qualidades, que não são poucas. A beleza de um cinema sem metáforas, onde, como diz Bazin, "a imagem realista, fotográfica, mimética, fala por si mesma, sem qualquer apelo à consciência enunciadora; uma espécie de grau zero da linguagem cinematográfica". 

O curso com a Profa. Mariarosaria Fabris, sobre o neo-realismo italiano, isso no longínquo ano de 2000, quando ainda alimentava uma perspectiva acadêmica voltada para linguagem cinematográfica. Foi antes de um saboroso aprendizado, um primeiro e intenso contato com a magia do realismo social. Vi a Itália sob diversos matizes, descrita por roteiros soberbos em sua simplicidade, representados pela gente anônima do campo e das cidades, e, talvez, a marca principal, a descrição do acontecimento em si, sem o apelo de qualquer efeito espetacular.  

Nesse sentido, gosto de me referir ao filme Umberto D, dirigido por De Sica e com roteiro de Zavattini. Atrevo-me a dizer que se trata da grande obra do neo-realismo, aquela que incorpora seus principais conceitos técnicos, a começar pela narrativa despretensiosa da vida de um velho, Umberto Domenico Ferrari, e seu cachorro Flaik. A câmera não promove estrepolias, ela apenas descreve os fatos ordinários da vida, como a célebre sequência da preparação do café por Maria, que trabalha na hospedaria em que se encontra Umberto. O fogo aceso, a caminhada até a janela, a visão soturna dos fundos do prédio, a chaleira com água, a reflexão sobre a gravidez, o café sendo moído, e sentada, esticando a perna para fechar a porta...

Zavattini ainda irá ao México, com a proposta de trabalhar ali a estética neo-realista. Conforme Paulo Paranaguá, ele acredita que o "México está maduro para produzir uma obra cinematográfica realista verdadeiramente importante". Serão três viagens, entre 1955 e 1957, sem que obtenha resultados conclusivos. Estende a aventura latino-americana para contatos e experiências em Cuba e Argentina, inspirando Fernando Birri em seu primeiro longa-metragem de ficção, Los Inundados com a marca do neo-realismo.


15 setembro 2015

Periferias Digitais


Ao iniciar minhas pesquisas sobre as culturas nas periferias com o propósito de abordar também os componentes da sua vida social, deparei com dificuldades que imaginava difíceis de serem superadas. Em suma, a questão que se colocava, como viver nos espaços de precariedade sob os mesmos princípios universais de direito e cidadania que regiam os espaços privilegiados da cidade? Por onde começar a luta e como manter as conquistas?

Na Cooperifa e no bar do Binho aprendi que estas questões não se colocavam da mesma forma: não havia metas ou prazos para defini-las. Em um olhar muito mais simplista e eficiente, havia o desejo de transformar pela leitura. No início do novo milênio, este era o singelo esforço, mobilizar jovens, velhos, mulheres no mesmo propósito da escritura e da declamação, amparados no lema "quem lê enxerga melhor", como dizia o principal artífice dos saraus poéticos, Sérgio Vaz. 

Com ele, aprendi que não se contabiliza conquistas, apenas se intensifica o que dá prazer. Os resultados são esparsos, mas consistentes: aqui e ali, uma criança, um adulto que passam a ler e escrever, e como dizia Paulo Freire, "a nomear o mundo". Os valores se transfiguram, o mundo ganha as cores inesperadas.

Gosto de pensar que quando comecei, os encontros se davam presencialmente. Como consequência, seus efeitos mobilizadores se restringiam ao espaço dos bares ou das escolas públicas, onde os saraus se realizavam. Eventualmente, emergia um grupo de uma outra prática cultural, convidando as pessoas a participarem. Durante anos foi assim.

Com os ganhos das políticas públicas de acesso ao conhecimento e aos bens materiais, como plataformas digitais, esses mesmos jovens aos poucos começaram a ousar transformar de maneira massiva, e hoje pululam os grupos culturais e as ações sociais, ancorados nas redes sociais. É essa renovação no modo de agir que me instiga a prosseguir meus estudos nas Periferias paulistanas.

Abaixo, alguns excertos do artigo 'As Periferias Digitais: mobilização e cidadania nas margens sociais em São Paulo' , apresentado recentemente nas Jornadas de Sociologia na UBA, Buenos Aires, e organizado com base nas primeiras impressões digitais desse maravilhoso concerto!


1) Crescimento e Segregação em São Paulo

Para avançarmos na discussão sobre cidadania e mobilização social na cidade de São Paulo, convém fazermos um retorno ao passado, lançando olhares sobre o período em que a cidade começa a delinear seus contornos de grande cidade, isso no início do século XX.

Vinte anos antes, por volta de 1880, não passava de uma pacata cidade com cerca de 50.000 habitantes. Seu posicionamento estratégico, como centro financeiro em razão da cultura do café, que se esparramava por todo o oeste do Estado, e próxima do porto de Santos, que oferecia a imediata exportação do produto, permitiu que a cidade crescesse de modo vertiginoso, passando a mais de 230.000 habitantes em 1900 e a 579.000 habitantes em 1920. 

Todo esse crescimento foi impulsionado pela forte chegada de imigrantes europeus e para se ter uma ideia desta presença, na virada do século a população da cidade era constituída por cerca de 50% de estrangeiros. Esse contingente migratório maciço ocorreu em razão da política governamental que incentivou a importação de trabalhadores brancos europeus para substituir a mão de obra negra, em um procedimento que visava a “branquear” a população brasileira.

Neste período, São Paulo era uma cidade concentrada e aproximadamente 80% das moradias eram alugadas (CALDEIRA, 2000). A elite que se origina da riqueza do café e do comércio dinâmico, logo buscará se afastar do ambiente de promiscuidade e doenças, deslocando­se para áreas mais afastadas, em exclusivos empreendimentos imobiliários como o bairro de Higienópolis, assim nomeado em clara alusão às suas melhores condições de higiene.

Nos anos 1930, com a expansão da cidade, o prefeito Prestes Maia lançará o Plano de Avenidas, e tal como Haussmann fez com Paris, previa rasgar a cidade a partir de eixos viários com a demolição da região central, promovendo a especulação imobiliária, que expulsará os trabalhadores para bairros mais afastados, por não terem como arcar com os pesados aluguéis. A cidade que já possuía um razoável sistema de transportes públicos baseado em bondes, passa a valorizar o transporte por ônibus, cuja expansão dos serviços (a partir da década de 1940) será explorada por empresários particulares, também especuladores imobiliários.

O padrão de urbanização se modifica, a cidade se dispersa, as classes sociais passam a viver longe uma das outras: os pobres migram para as periferias; a classe média e alta ocupa os bairros centrais, mais equipados, em um processo de segregação social que se acentua ao longo dos 50 anos seguintes. O sistema de transportes também se modifica, cada vez mais os bondes desaparecerão, o ônibus chegará a espaços mais distantes, muitas vezes vazios, para atender aos crescentes fluxos de trabalhadores pobres, e o automóvel circunscreve-se aos ricos.

A cidade se verticaliza com a exploração imobiliária e a partir dos anos 1960, a classe média passa a ocupar apartamentos recém construídos e financiados pelo SFH, aprofundando o padrão de segregação urbana. Nos anos 1970, segundo Teresa Caldeira, temos o seguinte panorama urbano:

“Os pobres viviam na periferia, em bairros precários e em casas autoconstruídas; as classes média e alta viviam em bairros bem equipados e centrais, uma porção significativa delas em prédios de apartamentos. O sonho da elite da Velha República fora realizado: a maioria era proprietária de casa própria e os pobres estavam fora do seu caminho. (Caldeira, 2000, p.228)  
 
Os pobres, esquecidos e empurrados para as periferias cada vez mais distantes, se mobilizam com a abertura política (1979) para retomar as mobilizações por direitos civis e moradias, embora as dificuldades para o financiamento da casa própria persistam. A autoconstrução torna-se dispendiosa ao longo dos anos 1980, e embora em ritmo menor que no período 1950-1970, ela prosseguirá, sobretudo nos extremos da cidade, onde o preço do lote de terra é mais barato e o controle público menos rigoroso (KOWARICK, 2009). 

As dificuldades econômicas do período, que culminam com a grave crise financeira mundial de 1982 e a consequente declaração da moratória da dívida por parte do governo brasileiro, elevam o número de moradores das favelas na cidade e tal como a designação periferias, no plural, as favelas devem ser assim compreendidas, espaços diferenciados, múltiplos, ambientes com diferentes padrões sociais e distintos patamares de desigualdade, como diz Kowarick:

“As favelas e seus habitantes devem ser vistos no plural, pois não só são diferentes entre si, como, num mesmo aglomerado é freqüente se encontrar­ padrões socioeconômicos e urbanísticos bastante diversos: elas constituem microcosmos que espelham os vários graus de desigualdade presentes nos estratos baixos de sedimentação da sociedade e, assim, não podem ser vistas como mundos à parte e excluídas da cidade em que estão inseridas”. (Kowarick, 2009, p. 224­/225).

Nos anos 1990 São Paulo é uma cidade mais complexa e fragmentada, mantendo a segregação, mas o modelo centro­periferia, marcado pelo distanciamento geográfico entre pobres e ricos, ainda que permaneça em seus contornos gerais, passa a ver o surgimento de empreendimentos imobiliários para as classes média e alta expandir para as áreas fronteiriças, avançando em espaços habitados por pessoas das classes menos favorecidas, criando espaços de moradia de luxo sob a designação de condomínios, ou, conforme Caldeira, enclaves fortificados.

Esse padrão urbano permanecerá ao longo das décadas seguintes, aprofundando a segregação urbana mesmo havendo a proximidade de classes em determinadas regiões urbanas. As novas oportunidades dos moradores mais pobres, de financiamento a baixo custo pelos bancos federais, não irão arrefecer a desconfiança e em muitos casos, o preconceito e a xenofobia  por parte dos mais ricos.

É com esse panorama, centrado no crescimento de São Paulo ao longo do século XX, recuperando os sentidos de uma segregação urbana que marca a profunda desigualdade social e econômica paulistana, que proponho a discussão sobre o padrão urbano de hoje, a realidade das periferias do ponto de vista delas, em um momento de mudança de hábitos definida pela utilização da tecnologia digital. Para além das transformações nos comportamentos cotidianos, ela, a tecnologia digital – consolidada nos usos de celulares, notebooks, tablets etc, oferecendo distintas plataformas de comunicação com seus inúmeros aplicativos – se coloca como uma ferramenta preciosa de construção de discurso e construção de redes sociais, ao acesso também das camadas menos favorecidas da sociedade.

(...)


12 setembro 2015

A placidez de um dia



Regresso de uma boa aula, produtiva dentro do que se pode esperar, melhor do que poderia ser. A delicada dispersão não foi suficiente para chegarmos a bom termo, por isso me sinto satisfeito, com o dever cumprido. A faculdade estava com um movimento abaixo do normal, hoje é sexta-feira e choveu praticamente o dia todo. Seria difícil imaginar que as coisas terminariam bem, depois de mais de quarenta minutos no metrô, lotado, com problemas de circulação. Optei por ir até a estação inicial, com menos gente, e dali tomar o sentido da faculdade. Demorou além da conta, cheguei com atraso, mas quantos não chegaram! E a sala me aguardava, serena, pouco mais da metade dos alunos, discutimos a representação do negro na cena brasileira.

Agora, o silêncio da noite, e antes dele, a chuva persistente. O movimento da Augusta é calmo, as pessoas se recolheram antes da hora, o friozinho do final de inverno é convidativo para um bom sono. Não tenho pressa, depois ainda navego um pouco pelas redes sociais, consulto as eventuais mensagens, avalio as notícias da semana, raquíticas, sobretudo as vindas do congresso e do executivo. Nada de novidades estimulantes, o que transforma a luta pela manutenção de uma nesga de nossos ideais em um esforço desgastante.

Descansei profundamente por um bom tempo, no meio da tarde. Precisava terminar com algumas tarefas, mas mantive-me aquietado. Pensei na saúde de meu pai, felizmente está tudo bem. Ainda resta um texto para concluir e enviar para uma revista, permanecem pendentes leituras já separadas. Nem mesmo o texto da aula de hoje foi repassado, até porque trata-se de um tema bem trabalhado. Durante a aula, com a inesperada complacência ou atenção, foi possível aprofundar certos detalhes que em outras ocasiões foram esquecidos, e nesses momentos é possível sentir o pulsar de certos olhares, aturdidos com as revelações da dor negra em nossa história.

Não houve almoço, apenas um prolongado café com cockies, e o prazer do reencontro. Conversamos longamente, sobre as coisas nossas, as jornadas recentes, os projetos futuros, a graça de seu sorriso satisfeito, que me dá vida. Penso agora nesses saborosos momentos, que são suspensos e retomados com amor, com sintonia, com serenidade. Buenos Aires no horizonte, talvez. E sorrimos.

Despertar não foi difícil, mesmo com a chuva tamborilando e dia preguiçoso. Não havia compromissos urgentes, apenas o texto para a revista, e a consulta aos emails. E a aula da tarde. Os livros separados para as leituras a serem feitas permaneceram sobre a escrivaninha, não havia pressa. Peguei duas obras de Bourdieu e fui para o café encontrá-la.