19 fevereiro 2009

É...



E a miserabilidade dicursiva de nossa grande mídia mais uma vez brota à tona. Desde o início, criando o temor exasperado de uma crise demolidora. Querendo nos levar de roldão, junto com as lágrimas de um império em decadência... Ah, a brutal crise anunciada... Desde o início, o desejo de conectar-nos ao pânico generalizado, ao temor porque é ao temor que se faz necessário prestar conta... Pois bem, aos poucos as vozes mais sensatas desta mídia insensata argumentam aqui, ali, de modo meio desajeitado é verdade, que a coisa não será tão feia...

Diante da torrente de miserabilidade discursiva de nossa grande mídia (que de incompetente não tem nada; a questão é de outro foro, quem sabe o da espetaculosidade a qualquer preço!?...), desde o início me confortei com uma opinião captada ao acaso, veiculada de modo sincero por um noticiário de tv comunitária. O jornalista olhou para a câmera, "... o que se avizinha é um período de crescimento menos exuberante, talvez com problemas localizados, mas ainda assim, um crescimento, e não uma crise... São coisas diferentes, pensem nisso... Boa noite".



2 comentários:

Susana disse...

Anúncio visto esta manhã, no noticiário local: “Revendedoras de automóveis comemoram os índices de venda – APESAR DA CRISE!”.
As estradas continuam lotadas rumo às praias. A cidade provavelmente estará vazia neste carnaval.
Esta crise criada numa eleição presidencial tem tido serventia para o remanejo de salários e a extinção de empregos.
O pânico só chega pra quem já sofre essa exclusão. Já os outros vão começar a pensar nisso depois da quarta-feira. Enquanto isso: “Deixa a vida me levar...”.

Bullit disse...

Não nos resta alternativa senão questionarmos sempre o que nos é dado (ou vendido) como informação...