15 maio 2016

Realismos paralelos - Manuel Scorza

Resultado de imagem para manuel scorza redoble por rancas

Em meio ao desconsolo político, o alento da literatura latino-americana. Sempre me pareceu ser essa a função do nosso realismo maravilhoso, nos redimir. 
Dela sigo me alimentando para aqui denunciar os desatinos e malfeitos do Impostor Temer e seus Asseclas fanfarrões, eficientes na prática do discurso efêmero.

-o-

"(...) Cavalgaram meses por montes e vale, sem sede nem fadiga, até que encontraram um caminho de ferradura que levava à província, baixaram, atravessaram a ponte, inundaram a praça. Vendo aquela multidão, os guardas-civis fugiram espavoridos. A multidão atravessou a praça e derrubou violentamente as portas azuis da casa do Dr. Montenegro. Pálidos, fugiam os maiorais, o próprio doutor escapou de peça em peça, e foi perseguido através de um labirinto de salões imensos, uns cobertos de neve, outros enclausurados pela selva, sempre cantando o apanharam e trouxeram para a praça. Eram as três da manhã, mas um sol, um diamantino sol, ardia. Os beleguins chamaram com cornetas todos os homens e animais da província para julgarem o Dr. Montenegro. O Beleguim-mor vestiu-se de branco e perguntou: 'Há alguém que não tenha sido insultado por este homem?' Ninguém se levantou. 'Perdoa-me, não farei mais', soluçou o terno preto. O Beleguim solicitou uma declaração dos cachorros. 'Há algum cachorro que não tenha recebido um pontapé deste homem?'. Os cães imobilizaram os rabos. O Beleguim insistiu: 'Há algum gato que não tenha sido escaldado por este homem?'. Os velozes pássaros, as alegres borboletas, os vivíssimos tico-ticos e as sonolentas cutias deram testemunho. Ninguém perdoou o doutor. Montaram-no num burro e o expulsaram da província, entre músicas e foguetes".

(Trecho do romance Bom dia para os defuntos (Redoble por Rancas), de Manuel Scorza)



Nenhum comentário: