20 janeiro 2013

José Enrique Rodó



“(...) Pode-se falar do utilitarismo como o verbo do espírito inglês, e os Estados Unidos como a encarnação do verbo utilitário. O Evangelho deste verbo se difunde por toda parte a favor dos milagres materiais do triunfo. A América hispânica já não é inteiramente qualificável, com relação a ele, de terra de gentis. A poderosa federação vai realizando entre nós uma espécie de conquista moral. A admiração por sua grandeza e por sua força é um sentimento que avança a grandes passos no espírito de nossos homens dirigentes, e talvez ainda mais no das multidões, fascinadas pela impressão da vitória. E da admiração há uma transição facílima para a imitação. A admiração e a crença são modos passivos de imitação para o psicólogo. A tendência imitativa de nossa natureza moral - dizia Bagehot - tem lugar naquela parte da alma em que reside a credibilidade. O sentido e a experiência vulgares seriam suficientes para estabelecer por si essa relação simples. Imita-se a aquele em cuja superioridade ou cujo prestígio se crê. É assim como a visão de uma América deslatinizada por sua própria vontade, sem a extorsão da Conquista, e logo regenerada à imagem e semelhança do arquétipo do Norte, paira sobre os sonhos de muitos sinceros interessados por nosso futuro, inspira a fruição com que eles formulam a cada passo os mais sugestivos paralelos, e se manifesta por constantes propósitos de inovação e de reforma. Temos nossa nordomania*. Torna-se necessário lhe opor os limites que a razão e o sentimento representam conjuntamente. (...)”

* Nordomania, termo utilizado por Baudelaire. Martí se referiu a yanquimania.


(Tradução realizada a partir de Ariel, Catedra Letras Hispánicas, Madrid, 2000).


Nenhum comentário: