11 novembro 2011

Vozes anacrônicas


"O certo me parece, cada vez mais, não ser oportuno entrar nessa provocação, tão aberta quanto desvairada. Ao contrário, entendamos que essas posturas de intolerância serão sugadas e engolidas pelo tempo, e das palavras fúteis, não vingará testemunho que as reconsidere. Ficarão, portanto, como página virada, essas manifestações rábidas, que nada significam senão rechaçar o que se lhes opõe, e esse olhar de fina hipocrisia, que emoldura a torpeza humana... Desses filósofos e cronistas habilitados a cumprir seus interesses, e que repercutem o descompromisso das corporações, não restará as marcas de seu destino... Falharão, creia-me, falharão, e não haverá vivente suscetível ao que essas vozes anacrônicas despejaram, um dia, sobre o mundo...

(in Caminhos tortuosos, p. 64)


Nenhum comentário: