04 agosto 2014

O fascínio de uma revolução


Neste mais recente projeto de artigo, estudo os corridos villistas, um recorte da epopeia que foi a revolução mexicana a partir das trovas populares produzidas no fragor das campanhas. É um período impressionante, rico em desdobramentos, bastou-me adentrar o labirinto da revolução para deparar com a riqueza do tema. Não me bastou tomar a leitura dos historiadores, e considerei de início duas obras de autores mexicanos, Marte Gomez e Silva Herzog e logo me lancei aos textos literários, de participação direta, olhares afinados aos detalhes do cotidiano trazidos por Mariano Azuela, John Reed, Juan Rulfo... Mas também adentrei a leitura conceitual de Octavio Paz, análises tão poéticas e concludentes de sua pátria, e sem esquecer a base metodológica, o texto de Vicente Mendoza e as audições dos corridos... Não tem fim, trata-se de um acontecimento que nos captura por tantos desdobramentos, tantas contradições e ao mesmo tempo tantas fidelidades! Seja qual lado se tome, e há diversos, nos embrenhamos em narrativas que nos trazem o sol cáustico das jornadas, a entrega desatinada na luta ou na fuga, a cantoria saudosa nas noites calmas, onde o imaginário se elabora nas armadilhas das visões míticas... E muito disso provém da oralidade, as novidades que ultrapassam as cavalgadas e se derramam nos vilarejos, para as devidas interpretações. Neste universo íngreme, que incorpora contingentes de camponeses em todo o país, alistados em batalhões villistas, zapatistas, huertistas, maderistas, constitucionalistas, federalistas, partes de um todo que se dividem e recompõem alianças, sobressai os traços de uma cultura poderosa, como a mexicana. Se por tantos anos, sob a ditadura porfirista, ela esteve vigiada, controlada, com a revolução ela explode trazendo junto as diferenças políticas por décadas abafadas. Que fazer senão deixarmo-nos levar pelas canções e com elas recriar uma época em que um país renasceu da solidão de seu labirinto.

Escrevo premido pelo tempo, chega a hora de largar a escrita. Tanto por dizer em minha empolgação... mas a viagem à Lima, Peru, me solicita. Mais adiante falarei sobre as mulheres da revolução, as adelitas o soldaderas, que ficaram imortalizadas pelas canções populares. 


Nenhum comentário: