02 abril 2014

Um golpe espúrio


A aula indicava apenas que eu cumpriria o programa do bimestre, apresentando uma discussão sobre o governo João Goulart para uma classe muito interessada com os temas de Teorias Sociais. Desde o início, o acompanhamento dos educandos gerou um processo estimulante, de atenção e participação. Pudemos avançar decididos em temas desde o Brasil Colônia, com Caio Prado Jr., até a Cultura Caipira, com Antonio Candido. Sempre um prazer pode-los encontrar dispostos a desvendar os caminhos complexos de nossa história, de nossa formação. Ao longo de dois meses avançamos, educador e educandos, até chegarmos ao cenário do golpe de 1964. 

Para minha surpresa, a melhor aula com esta turma. Ocupamos a manhã em torno das imagens, das primeiras páginas dos jornais e revistas da época, dos atores, das nuanças das histórias que se completaram com o triste desfecho, o fim do Brasil voltado para as Reformas Sociais. Por mais que desconhecessem os detalhes, foram incorporando a discussão com um desprendimento comovedor. Sabiam que compartilhávamos os sinuosos percursos de um momento-chave de nosso país, momento que por sua dimensão e força por certo interferiu na realidade familiar de cada um deles. Essa recuperação silenciosa da história social e familiar por certo os conduziu em densa expectativa até o final da aula.

...
   
Especificamente sobre o tema, não há nada mais doloroso do que a consciência de um Brasil que foi bruscamente interrompido nesse golpe indecente, que cassou a inteligência brasileira, rompeu o que Darcy Ribeiro chama de 'nosso processo de autoedificação', nos dobrou aos interesses forâneos e arrancou o direito de sonharmos com nossos desígnios, a partir de nossas escolhas soberanas. O livro de Jorge Ferreira, João Goulart, dentre outras publicações sobre o período que chegam a lume, nos oferece um excelente olhar retrospectivo para esse momento decisivo de nossa história. 

Abaixo transcrevo um trecho, na manhã do dia 2 de abril de 1964, que oferece boa resposta a uma das indagações feitas por um dos alunos, 'por que Jango abandonou o governo?'

"(...) A tentativa de resistência, disseram os militares (legalistas), seria sufocada em poucos dias. Goulart avaliou a situação militar, percebeu o risco praticamente certo de guerra civil e já possuía informações sobre as articulações norte-americanas no golpe. Não se tratava apenas de um movimento militar, mas, sim, de uma ampla coalizão civil-militar brasileira com o apoio de forças estrangeiras. O presidente, depois de pesar a disposição de forças, não aceitou a proposta de resistir. A resistência jogaria o país em uma guerra civil de consequências imprevisíveis, foi a sua avaliação. (...) Jango, naquele momento, sabia da amplitude do golpe que o estava depondo. Apoiando as forças armadas estavam os presidentes dos poderes Legislativo e Judiciário, bem como os governadores dos estados mais importantes do país, Guanabara, São Paulo, Minas Gerais (...). A imprensa e os meios de comunicação não apenas apoiavam, mas também incentivavam o golpe. Não se tratava só do apoio de empresários e latifundiários, mas de amplas parcelas das classes médias. (...)"


Nenhum comentário: