12 setembro 2015

A placidez de um dia



Regresso de uma boa aula, produtiva dentro do que se pode esperar, melhor do que poderia ser. A delicada dispersão não foi suficiente para chegarmos a bom termo, por isso me sinto satisfeito, com o dever cumprido. A faculdade estava com um movimento abaixo do normal, hoje é sexta-feira e choveu praticamente o dia todo. Seria difícil imaginar que as coisas terminariam bem, depois de mais de quarenta minutos no metrô, lotado, com problemas de circulação. Optei por ir até a estação inicial, com menos gente, e dali tomar o sentido da faculdade. Demorou além da conta, cheguei com atraso, mas quantos não chegaram! E a sala me aguardava, serena, pouco mais da metade dos alunos, discutimos a representação do negro na cena brasileira.

Agora, o silêncio da noite, e antes dele, a chuva persistente. O movimento da Augusta é calmo, as pessoas se recolheram antes da hora, o friozinho do final de inverno é convidativo para um bom sono. Não tenho pressa, depois ainda navego um pouco pelas redes sociais, consulto as eventuais mensagens, avalio as notícias da semana, raquíticas, sobretudo as vindas do congresso e do executivo. Nada de novidades estimulantes, o que transforma a luta pela manutenção de uma nesga de nossos ideais em um esforço desgastante.

Descansei profundamente por um bom tempo, no meio da tarde. Precisava terminar com algumas tarefas, mas mantive-me aquietado. Pensei na saúde de meu pai, felizmente está tudo bem. Ainda resta um texto para concluir e enviar para uma revista, permanecem pendentes leituras já separadas. Nem mesmo o texto da aula de hoje foi repassado, até porque trata-se de um tema bem trabalhado. Durante a aula, com a inesperada complacência ou atenção, foi possível aprofundar certos detalhes que em outras ocasiões foram esquecidos, e nesses momentos é possível sentir o pulsar de certos olhares, aturdidos com as revelações da dor negra em nossa história.

Não houve almoço, apenas um prolongado café com cockies, e o prazer do reencontro. Conversamos longamente, sobre as coisas nossas, as jornadas recentes, os projetos futuros, a graça de seu sorriso satisfeito, que me dá vida. Penso agora nesses saborosos momentos, que são suspensos e retomados com amor, com sintonia, com serenidade. Buenos Aires no horizonte, talvez. E sorrimos.

Despertar não foi difícil, mesmo com a chuva tamborilando e dia preguiçoso. Não havia compromissos urgentes, apenas o texto para a revista, e a consulta aos emails. E a aula da tarde. Os livros separados para as leituras a serem feitas permaneceram sobre a escrivaninha, não havia pressa. Peguei duas obras de Bourdieu e fui para o café encontrá-la.

    

Nenhum comentário: